[Crítica] - Insurgente - o filme.

Olá, leitores! Ontem à noite fui com uma amiga na estréia de Insurgente. Não li nenhuma crítica e fui com a cabeça aberta pra falar aqui para vocês a verdade sobre o que eu achei do filme. Devo lembrar que só recomendo a leitura desse texto para aqueles que já leram o livro ou que não se importem com spoilers.
Vamos lá?




O filme começa com um pronunciamento de Jeanine culpando os Divergentes pelo ataque a abnegação e Tris, Quatro, Peter e Caleb estão escondidos na sede da Amizade. No filme, Jeanine conseguiu uma caixa que esconde uma mensagem dos fundadores para a cidade e ela precisa a todo custo de um Divergente para passar pelas simulações das 5 facções para conseguir abrir a caixa. 
Assim como no livro, a sede da Amizade é invadida por Eric e alguns membros da Audácia que estão do lado de Jeanine em busca de Divergentes. E é quando eles são descobertos e precisam fugir, nesse momento Peter se junta a Erudição. Preciso dar um destaque para a atuação de Ansel Elgort no papel de Caleb Prior: na hora da fuga ele corre tão desengonçado que é obvio que ele não faz parte desse mundo de guerra. Mas confesso que senti falta da cena que a Tris usa o Soro da Amizade, que ela fica toda boba.
Logo depois da fuga eles já encontram os sem-facção e Quatro é obrigado a falar que é filho de Evelyn, assim eles o levam em segurança até ela. É Edward quem os encontra (sabemos disso porque lemos o livro), no filme ele não tem um olho faltando e não é feita nenhuma menção da passagem dele pela Audácia. Chegando lá encontramos a atriz Naomi Watts como mãe de Tobias, minha primeira reação foi de choque, achei ela jovem demais pra ser a mãe dele. Mas depois de algumas cenas me acostumei e ela mesma fala que era muito jovem quando o teve. Ela fez uma atuação espetacular. 
Decididos a não confiar nos sem facção Tris, Quatro e Caleb partem rumo a Franqueza onde os outros sobreviventes da Audácia estão escondidos. No meio do caminho Caleb resolve deixar ou dois para voltar a Abnegação e tentar resolver as coisas por lá.

Ao chegarem na Franqueza se deparam com mais de cem integrantes da Audácia inclusive Tori e Christina. A amiga de Tris está com uma aparência horrível e a primeira coisa que faz é perguntar de Will. Tris mente dizendo que não sabe dele. O líder da Franqueza resolve entregar os dois, que são procurados como responsáveis pelo ataque a abnegação, para a Erudição, mas Quatro consegue convencer o Líder a fazer um julgamento na Franqueza, utilizando o soro da verdade.
É nesse momento, na frente de toda a facção e dos remanescentes da Audácia que Tris confessa que matou Will para se defender. Nessa parte eu senti muita falta da personagem Cara, irmã de Will. Ela nunca teve empatia pela Tris porque como Erudita odiava todos da Abnegação, inclusive os pais de Tris e ela própria, mas há uma parte no livro que me emociona muito (bem depois dessa parte que eu tô contando) que a Tris narra o seguinte trecho: 
"O que minha mãe disse naquela simulação? “Temo que tudo que seu pai disse sobre a Erudição tenha afetado seu julgamento.” E se ela estava certa, mesmo que ela fosse apenas parte de uma simulação? Meu pai me ensinou a ver a Erudição de um modo particular. Ele nunca me ensinou que eles não faziam julgamentos sobre o que as pessoas acreditavam, mas desenvolviam coisas para elas que se ajustavam às suas crenças. Ele nunca me ensinou que eles podiam ser engraçados, e que eles podiam criticar sua própria facção. Cara se aproxima de Fernando com o apetrecho, rindo quando ele pula para trás. Ele nunca me disse que alguém da Erudição poderia me oferecer ajuda mesmo depois de eu ter matado seu irmão." 

Depois dessa parte eu me simpatizei muito com a Cara, e com o fato de mesmo ser da Erudição ela ter discernimento para entender que a sua líder estava errada e que ela teria que detê-la. Eu queria que ela aparecesse no filme.

Ainda quando estão na Franqueza eles são atacados porque Jeanine ainda não encontrou o Divergente perfeito. Lá eles encontram os Divergentes e começam a testar cada um para saber qual é mais qualificado para a missão. Eric descobre que Tris é quem eles estão procurando, mas antes que eles consigam levá-la Quatro invade o local com outros membros da Audácia e imobilizam os invasores, é quando Eric morre com uma bala de Tobias, exatamente como no livro.

Mesmo conseguindo fugir Jeanine, que agora já sabe que Tris é quem procura e utilizando um soro que foi injetado em todos durante a invasão da Franqueza, começa a forçar pessoas a se suicidarem e a única condição para que isso pare é que entreguem a Tris. É lógico que todos resolvem não entregá-la e Tori começa a trabalhar para tirar das pessoas o injetor de soro, para que não consigam mais controlá-los. Antes disso, no entanto, Tris sai escondida à noite e segue até a Erudição para se entregar. Chegando lá, é submetida a simulações de todas as facções para abrir a caixa. É quando ela descobre que Caleb não voltou para a Abnegação e que o tempo todo ele pretendia se unir a Erudição contra a guerra que ele acha que os Divergentes querem começar. 

Durante a simulação da Abnegação, Tris salva a vida de Peter e ele vê tudo pelo monitor. Aquilo mexe com ele e para não parecer que tem uma dívida com ela, ele a ajuda a fugir fingindo que está morta. É a partir daí que as coisas ficam diferentes do livro. A Tris e o Quatro resolvem voltar lá e roubar a caixa, mas em vez de irem embora ela resolve terminar a simulação e liberar o conteúdo da caixa. Quando consegue, somente ela, Quatro, Caleb, Peter e Jeanine (além de alguns figurantes que nem conhecemos) escutam o conteúdo da mensagem, que é praticamente a mesma do livro, apenas não faz menção a Edith Prior. Quando Jeanine escuta a mensagem e descobre que os Divergentes são na verdade a salvação e não a destruição da humanidade ela se revolta e manda enterrar a caixa. Mas é nesse momento que os sem facção entram na sala e os rendem. Quatro então libera a mensagem para todos através dos telões da cidade.

Tori não tem um papel importante nessa parte do filme, no livro ela busca Jeanine de todas as formas e chega até a acusar Tris de traição por ela impedir de matá-la. Marcus também quase não aparece e no livro foi ele que contou a Tris da mensagem dos fundadores e por isso ela sabia que deveria procurar algo antes de matar Jeanine. A parte que eu achei muita falha no filme foi a Tori não ter tido sua vingança. Na verdade a história do irmão dela foi contada no primeiro filme quando ela explica a Tris sobre ser Divergente, mas foi deixada completamente de lado no filme Insurgente.

Acho também que eles quiseram terminar o filme com aspecto de final feliz e não apareceu os sem facção dominando todos e nem Evelyn falando do fim dos sistemas de facções. Então não sei como começará Convergente. Mas Insurgente terminou com um baita final feliz e facilmente poderia ser o último filme, já que não deixou nenhuma lacuna para o próximo. Mas é lógico que queremos saber o que há por trás da cerca. 

Você já assistiu? O que achou? Deixe seu comentário para nós! 

9 comentários:

  1. Adorei sua resenha. Amei o filme e amo o livro. Apesar de sim, achar beeeem diferente o livro e o filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Eu também achei diferente, mas entendo que livros e filmes tem ações diferentes. Então eles serão diferentes mesmo. Quando comecei a entender isso, me decepcionei menos.

      Excluir
  2. Imagino que o filme tenha terminado com "cenas faltando" para ter mais a dizer em Convergente, pois serão dois filmes e tem toda a decisão de onde vai dividir o livro.

    Beijão
    Blog: Dei um Jeito // Sorteio de Marcadores

    ResponderExcluir
  3. Oi Carol, td bem? Entao eu assisti ao filme no ultimo sábado, concordo com todas as suas percepções, senti falta de algumas cenas tbem, como Tobias batendo em Marcus na frente de todo mundo, Marcus conspirando com Tris escondidos, mas enfim, sabemos que muitas cenas são deletadas no filme, gostei do detalhe da caixa, gostei muito da Evelyn tbem, percebe-se o quão grande é o seu desejo de poder, mas com certeza o melhor ator de todos foi o intérprete de Quatro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, mas a Tris também deu show. Ela é uma ótima atriz, a cena dela com o soro da verdade me arrepiou.

      Excluir
  4. Eu tinha assistido, mas não li o livro, ando meio preguiçosa na leitura, mas depois de ler sua crítica e ver tantas diferenças entre filme e livro, me lembrei porque sempre preferi os livros. Fiquei com vontade de ler.
    Realmente o filme terminou final feliz, mas não vejo a hora de ver o próximo e saber o que acontece porque só acho o final bom por saber que tem mais, se esse fosse o final total, eu não acharia o filme tão bom assim. Aliás gostei do filme, mas o primeiro filme é muito melhor na minha opinião.

    www.falandosobretudo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior que e isso mesmo. Os livros são bem mais completos nos fazem viajar através da imaginação. Mas não só isso, porque tem outros filmes que eu gostei porém faltaram algumas partes, sempre falta. O problema desse fi que mudaram muitas coisas, e acrescentaram coisas que não tinha no livro, não duvido nada que acabem mudando todo o final! :(

      Excluir
  5. A sede não é invadida por Eric, e sim por uma mulher da Erudição, Eric não é morto no atack a Franqueza, e sim leva uma facada da Tris e Jack o líder o entrevista, Tris e Tobias não fazem sexo quando vão a sede dos sem facção... Esse filme tá todo errado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é!!! Quero só ver como será em Convergente!

      Excluir

Gostou do post? Deixe seu comentário, dúvida ou sugestão! Volte sempre! :)

© Blog Leitura Virtual - Por Carol Mariotti - Todos os direitos reservado. Cópia proibida. Tecnologia do Blogger.