[Resenha] - Fragmentados - Neal Shusterman

A Lei da Vida.
A Segunda Guerra Civil, também conhecida como "Guerra Hearland", foi um conflito longo e sangrento motivado por uma única questão.
Para acabar com a guerra, uma série de emendas constitucionais conhecidas como "A Lei da Vida" foi criada.
Ela satisfez tanto o exército Pró-Vida como o Pró-Escolha.
A Lei da Vida declara que a vida humana não pode ser tocada desde o momento da concepção até que a criança chegue à idade de 13 anos.
No entendo, entre os 13 e os 18 anos, a mãe ou o pai pode escolher "abortar" retroativamente uma criança...
... com a condição de que a vida da criança não tenha, "tecnicamente", um fim. O processo pelo qual uma criança é ao mesmo tempo eliminada e mantida viva é chamado de "fragmentação".
Agora, a fragmentação é uma prática comum e aceita pela sociedade.




ISBN-13: 9788581635194
ISBN-10: 8581635199
Ano: 2015 / Páginas: 368
Idioma: português
Editora: Novo Conceito

"Só porque a lei diz, não significa que é verdade" - Connor

Connor é um jovem de 16 anos, mas não somente isso: ele é um jovem problema para seus pais. Cansados de aguentar as brigas escolares do filho problema, os pais escolhem a alternativa mais fácil: a fragmentação.
A fragmentação consiste em doar todas as partes do corpo de um adolescente entre 13 e 18 anos. Dessa maneira, ele permanece vivo só que dividido em muitas partes. 
Connor não foi informado que seria fragmentado. Ele encontrou, por acaso, a ordem de fragmentação assinada pelos pais e três passagem para as Bahamas para o dia seguinte em que ele seria levado; as passagens eram para os pais e o irmão caçula. Contudo, não é da natureza do jovem problema aceitar esse tipo de imposição. Para evitar ser capturado pela Policia Juvenil, Connor foge de casa.

Risa é pianista, tem 15 anos e vive na Casa Estatal desde que se conhece por gente. Ela tenta se destacar na música, porque realmente gosta e porque sabe que precisa ser boa em alguma coisa, ou não terá chance entre tantos adolescentes abandonados aos cuidados do estado. Após uma apresentação ruim, a jovem é chamada para uma conversa com o diretor, o advogado da Casa Estatal e outras pessoas que ela desconhece. O objetivo da conversa fica óbvio quando ela ouve que evoluiu tudo o que podia e que é preciso cortar gastos. Risa vai ser fragmentada e a ordem já foi assinada, não há nada que se possa fazer. Entretanto, como uma ajuda divina, o ônibus que a estava levando para o Campo de Colheita sofre um acidente e ela aproveita a boa sorte para fugir.

Lev é o 10º filho de uma família muito religiosa. Na família dele 10% de tudo o que eles ganham é dado a Deus como dízimo - não seria diferente com os filhos. Desde que nasceu, Lev foi criado para ser um dizimo humano. Aos 13 anos ele seria fragmentado como oferenda a Deus e ele se sentia muito honrado com a escolha. Mas os 13 anos chega antes do que ele previu. Sua festa de despedida termina cedo demais e logo Lev está a caminho do Campo de Colheita que seus pais escolheram com tanto cuidado. Ele não poderia ser mais sortudo por ser usado por Deus para ajudar outras pessoas.

Então, um fugitivo causa uma acidente com um ônibus e para toda a rodovia, mais rápido do que ele consegue processar, e Lev é arrancado do carro por um fragmentário demoníaco. Após isso, tudo é escuridão.




"Por favor o que?, pensa a professora. Por favor, desobedeça a lei? Por favor, coloque a si mesma e a escola em risco? Mas não, não é nada disso. O que ele realmente está dizendo é: Por favor, seja humana." - Página 82

Nas circunstâncias normais Connor, Risa e Lev jamais seriam amigos - eles nem mesmo se falariam. No entanto, agora a situação era outra, cada um deles precisa lutar pela vida. Se sobreviverem até os 18 anos sem serem pegos então estarão livres para viver suas vidas. Mas não é assim tão fácil: eles agora são fugitivos federais e todo cuidado é pouco para não serem capturados e mandados para a fragmentação.

Em "Fragmentados", Neal Shusterman cria uma historia distópica muito diferente de todas que já lemos. Sabemos que as distopias relatam governos cruéis, e nesse livro temos uma sociedade que compactua com essa crueldade. Os pais se sentem aliviados em enviar um filho para a fragmentação por estarem se livrarem do problema que ele representa. Ninguém questiona o sistema e todos inclusive usam as partes dos fragmentários. A teoria é simples: há tanto para transplantar que não precisamos mais consertar os que falharam. Então é muito comum encontrar pessoas costuradas com partes que um dia foram de outra pessoa.
Este é um livro que faz o leitor pensar. Por mais absurdo que seja a situação, não é assim tão diferente do que já fazemos hoje em dia com objetos, se formos pensar. A maioria das coisas são descartáveis, ou seja, estragou compramos outra e jogamos a velha fora. Já pensou fazer isso com partes do corpo? Você quebrou uma perna: em vez de engessar, corta fora e coloca outra inteira no lugar.




"Eu nunca seria grande coisa mesmo, mas, agora, falando estatisticamente, há uma chance maior de que alguma parte minha alcance a grandeza em algum lugar do mundo. Eu prefiro ser parcialmente grande a ser completamente imprestável. - Samson Ward

Além dessa parte já bastante sinistra, há também a ideia de que as pessoas que são fragmentadas não morrem - que elas continuam vivas em outras. É um pouco perturbador acompanhar os fragmentários pensando sobre isso, sobre como seria ter cada parte do seu corpo em outro lugar e onde fica a consciência da pessoa nesse processo. Chega a ser um pouco confuso. 
A história é narrada em terceira pessoa, mas sempre do ponto de vista de algum personagem. Não há uma regra, depende do rumo que o livro vai tomando e, sendo assim, sempre aparecem novos pontos de vista. 
O livro é dividido em sete partes, que alternam sobre todos os assuntos que precisamos saber, não somente sobre a história dos três fugitivos que acompanhamos como também sobre o universo que permeia a Fragmentação e de onde ela surgiu. Por isso, posso afirmar que o mundo criado por Neal é consistente. Conseguimos imaginar cada parte desse processo porque ele é explicado e partes importantes não ficam de fora.
Quando vi o booktrailer fiquei muito animada com o livro e quando comecei a ler achei que ia me decepcionar, porque demora um capitulo ou dois para a história engatar. É o tempo de conhecermos a história de cada personagem e o motivo de sua fragmentação. No entanto, após esse início tudo começa a se encaixar muito bem. O autor consegue encerrar cada detalhe e deixa pistas durante a leitura, dando aquela pitadinha de suspense que anima qualquer leitura.

Pesquisando no skoob eu descobri que existem mais 3 livros que continuam a história. Como esse foi lançado esse mês acho que vai demorar um pouco para o próximo ser lançado. Mas um ponto muito bom desse livro é que ele não precisa necessariamente de continuação. A história tem final quando o livro acaba e todas as arestas são aparadas. É aquele tipo de livro que quando acabamos ficamos pensando no seu universo, mas não temos que imaginar o que aconteceu com os personagem porque o final foi completo.

"Se as pessoas tivessem doado seus órgãos, a fragmentação nunca teria acontecido" - O Almirante


8 comentários:

  1. Oi Carol, eu preciso ler logo esse livro! Quando vi o book trailer fiquei completamente sem fôlego... É sinistro a ideia da fragmentação, mas o que me arrepia de verdade, é que não é impossível! Queira Deus que não cheguemos a esse ponto um dia! A resenha só aumentou minha vontade de lê-lo, obrigado! Bjos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente Gustavo. Quando comecei a ler pensei em como o autor conseguiu pensar em algo tão surreal. Mas a medida que fui lendo percebi que não é impossível, que a humanidade pode sim chegar a esse ponto. Isso me assustou muito. Enfim, leia. Você vai gostar. Beijos e obrigada pela visita.

      Excluir
  2. Nossa ! Adorei, esse livro parece fantastico ,realmente voce me deixou bem curiosa para lê-lo, parece aqueles tipos de livros que te deixam viciada em lê-los acho que vai ser minha proxima compra haha ❤ adorei o post

    Annaalmeida.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Anna, eu também fiquei muito empolgada quando vi como era a história. Veja o booktrailer na página da Novo Conceito. Você vai ficar mais curiosa ainda. Hahaha beijo e obrigada pela visita.

      Excluir
  3. Amei a resenha! Sou viciada em distopias kkkk mais um livro pra lista.
    www.kamaleando.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhhh, volte aqui me contar o que achou depois de ler tá?! Obrigada pela visita!!

      Excluir
  4. Estava na livraria , e encontrei esse livro achei muito legal , mas não comprei . Quando cheguei em casa decidi procurar mais sobre o livro , e achei essa resenha que é muito boa por sinal <3 , e gostei bastante . Logo dps comprei o livro , agr eu estou no meio do livro . Estou meio curiosa se tem continuação , estou perguntado pq ainda não cheguei ão fim então não sei . Vc sabe se tem ? Pode me responder ? Obgda , muito boa sua resenha ☺

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii, Obrigada pela visita!!! Sim, tem continuação! Mas eu tive que pesquisar em sites americanos e não sou muito boa no inglês. Então.. Eu não sei bem como se passa os outros, mas são 2 livros. Eu mandei mensagem pra NC na época mas eles não sabem anda se vão lançar os próximos. beijos

      Excluir

Gostou do post? Deixe seu comentário, dúvida ou sugestão! Volte sempre! :)

© Blog Leitura Virtual - Por Carol Mariotti - Todos os direitos reservado. Cópia proibida. Tecnologia do Blogger.