[Crítica] - O mínimo para viver



A Netflix resolveu falar sobre assuntos bem polêmicos, depois do sucesso de público de críticas de "Os 13 porquês" agora é a vez de "O mínimo para viver", que conta a história de Ellen, uma menina de 20 anos que está lutando contra uma anorexia que a está matando. 

Resultado de imagem para o minimo para viver

O filme não conta os motivos que levaram Ellen a chegar a tal ponto, muito pelo contrário, ele deixa claro que os motivos não importam realmente, o que importa é o que você decide fazer a partir dali. O passado já está feito.

No começo conhecemos Ellen, personagem de Lili Colins, ela já está doente e aparece extremamente magra, num ponto que chega a impressionar, não é bonito. Ela já vem de um histórico de quatro internações mal sucedidas e cada vez mais sem esperanças de conseguir seguir uma vida feliz e saudável. Podemos perceber nitidamente que ela desistiu de viver. 
Resultado de imagem para o minimo para viver

É quando sua madrasta, que parece uma mãe, consegue uma consulta com o Dr. William Beckham, um médico muito renomado na área de distúrbios alimentares que tem um tratamento alternativo com os jovens. 
Mas a medida que o filme vai avançando percebemos que Ellen está piorando e ficando mais magra ainda, podemos ver isso porque ela sempre tenta fechar os dedos ao redor do braço mostrando que cada vez está ficando menor. 

É um filme perturbador, conhecemos outros personagens que também estão passando por distúrbios alimentares e conseguimos perceber a angustia que eles passam por não conseguirem lidar com aquilo. 
Resultado de imagem para o minimo para viver


O filme tinha tudo para ser fantástico mas achei a abordagens um pouco superficial, não teve aprofundamento dos personagens, mostrando suas características ou lutas durante a doença. Achei completamente desnecessário colocar um romance no meio da história, já que esse não era o foco e fez a gente sair um pouco do que realmente importava. E no mais, o final foi decepcionante, não há uma resposta concreta sobre Ellen, se ela conseguiu se curar ou não. Pra mim isso foi a pior parte de todas, a gente acompanha a história, se liga a personagem e precisa imaginar o que aconteceu com ela porque o filme não foi capaz de nos contar. 
Acho que a Netflix está muito certa em abordar temas assim nos seus programas, mas acredito que é necessário aprofundar mais porque uma abordagem superficial não nos mostra exatamente a realidade das pessoas que vivem com isso. E é importante que seja mostrado. 

6 comentários:

  1. Vou ter que descordar de ti quanto ao final: eu gosto desse tipo de final, neste caso, pq melhorar de uma doença grave como esta não da para colocar em um filme de duas horas que o foco são as dificuldades de se ter essa doença. Não cabe ao filme mostrar uma formula mágica para vencer a doença ou a qualquer um. É uma luta diária que pode demorar muito.
    Eu amei o final do filme, me deixou com um sentimento de esperança para a personagem e para todos que estão passando pelas mesmas dificuldades. Chorei até não conseguir mais depois de assistir ao filme. Muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu entendo isso. Sei que ela nunca vai estar livre disso, que é um batalha diária. Eu tava feliz quando ela aceitou se tratar e voltou, mas ai pensei que ela poderia ter uma recaída no dia seguinte e morrer. E a gente não saberia. Sei que é um filme mas penso muito no futuro dos personagens, por isso gostaria que mostrasse um pouco das vitórias diárias dela sabe?

      Excluir
  2. Olá!
    Pretendo assistir o filme essa semana ainda. Achei super válido o Netflix abordar esses temas em suas produções, já que são realidades muito presentes em nossas vidas. Uma pena que não houve um aprofundamento maior.
    Beijos!

    Books & Impressions

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Raissa. Eu achei muito importante também. Por mais que não tenha tanto aprofundamento quanto eu gostaria teve algumas coisas que eu não sabia e que o filme me mostrou. Então só por isso já foi muito bom!

      Excluir
  3. Oi, Carol!
    Eu estou louca pra ver esse filme. Muitos amigos me indicaram e estou vendo cada vez mais críticas positivas... acho o tema super importante de se pensar, de se debater. Espero conseguir vê-lo logo, assim que sobrar um tempinho hahaha
    Beijoss
    www.vidaemmarte.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja sim, é super importante estar por dentro desses assuntos, porque temos que saber lidar se alguém que conhecemos passar por isso.

      Excluir

Gostou do post? Deixe seu comentário, dúvida ou sugestão! Volte sempre! :)

© Blog Leitura Virtual - Por Carol Mariotti - Todos os direitos reservado. Cópia proibida. Tecnologia do Blogger.