[Resenha] Percy Jackson e o Ladrão de Raios – Rick Riordan




Percy Jackson e os Olimpianos (PJO) é uma saga de fantasia e aventura infantojuvenil escrita por Rick Riordan, em que ele mistura o mundo real com elementos das lendas da Mitologia Grega como deuses, titãs, artefatos e muito mais. Na verdade, ele escreveu outras sagas com mitologias diferentes, mas que se conectam entre si (explicarei isso melhor mais tarde). No caso, Percy Jackson e o Ladrão de Raios é o primeiro livro desse Riordanverso e, portanto, é o mais indicado para começar a leitura. Neste mundo, os deuses greco-romanos continuam vivos e até se relacionam com mortais, gerando filhos que são chamados (assim como os heróis da mitologia grega) de semideuses: metade humano, metade deus.



A história começa em Nova York com o adolescente Percy Jackson, um garoto que está sempre sendo expulso de escolas por se meter em confusões difíceis de explicar. Além disso, o garoto ainda tem dislexia e TDAH, o que dificulta muito o seu rendimento na escola. Acontece que essas características se dão ao fato de que ele também é um semideus, apesar de ainda não saber e quando ele descobre isso, sua vida muda completamente. Em paralelo a isso, um artefato importantíssimo desaparece do Monte Olimpo e o principal suspeito não é ninguém mais ninguém menos do que o nosso protagonista. Logo, ele se encontra em uma missão muito perigosa e cheia de desafios para provar a sua inocência e impedir que aconteça uma guerra entre os deuses que poderá acabar com o nosso mundo.
Esse ano eu resolvi me aventurar no mundo de Percy Jackson por causa da Leitura Coletiva que está acontecendo e sendo organizada pela Carol Mariotti. No começo, eu estava com o pé atrás, pois já estava lendo outras sagas (prometo que um dia vou terminar seus livros, George R. R. Martin) e eu não estava muito no clima para ler esse tipo de história no momento. Felizmente, houve uma super promoção com todos os e-books da saga e eu resolvi aproveitar a oportunidade para mergulhar de cabeça na leitura, podendo conversar com outras pessoas sobre os livros durante o processo. Antes de ler, eu estava com certo receio de achar muito parecido com Harry Potter devido ao estilo de aventura e ao trio principal, que é composto pelo protagonista, uma garota esperta e um garoto de alívio cômico (onde foi que eu vi algo parecido?), mas eu não podia estar mais enganado, pois as semelhanças acabaram por aí.

Começando pela própria forma de narrativa que, nesse caso, é em primeira pessoa (com os pensamentos do próprio protagonista). O Percy também é completamente diferente do Harry nos primeiros livros, pois ele é muito mais impulsivo e “ativo” em diversos momentos. Mesmo sendo um pré-adolescente, ele não parece ter tanto medo dos desafios e eu adorei isso, pois ele conseguiu transmitir aquele sentimento épico dos grandes heróis mitológicos que a gente ouve falar nas lendas. Agora chega de comparar com outras sagas, pois PJO já demonstrou que consegue ter um espaço próprio no mundo das histórias de fantasia.


Arte feita por Viktoria Ridzel (conhecida como Viria)


Lembre-se que é um livro infantojuvenil, então considere como um livro para aprender (principalmente sobre mitologia), mas acima de tudo, para te entreter. Um ótimo exemplo dessa experiência é o relacionamento do trio principal formado por: Percy, Annabeth e Grover, que é muito divertido, pois eu realmente senti uma química de amizade entre eles durante a história, apesar de alguns não irem com a cara dos outros no começo e a relação entre eles vai amadurecendo conforme vão se conhecendo (sim, eu sei que é apenas o primeiro livro e que eles têm muito pra amadurecer).

Percy Jackson e o Ladrão de Rarios possui uma adaptação live-action lançada em 2010 que eu já havia assistido antes de conhecer a obra original e, por incrível que pareça, tinha gostado bastante na época, pois os atores pareciam interessantes, mas depois de ler o livro, eu percebi que queria poder apagar aqueles filmes da minha mente. Se possível, faça isso!!! Pois aqueles filmes realmente não fazem jus ao que o Rick Riordan queria passar nos seus livros. Felizmente, no ano passado os fãs do Riordanverso receberam a excelente notícia de que a Dinsey Plus está desenvolvendo uma série de Percy Jackson para sua plataforma de streaming que segundo o próprio autor, a produção irá seguir “a linha da série de cinco livros de Percy Jackson, começando com o Ladrão de Raios na primeira temporada". Dito isto, acho que teremos uma nova adaptação do jovem Percy, que promete ser mais fiel às obras originais do que o filme de 2010 (o que não é muito difícil).

Portanto, se você está querendo mergulhar em um novo universo de fantasia e aventura com uma história leve e divertida e com personagens muito carismáticos, mas que ainda possui seus momentos dramáticos, esse livro pode ser uma ótima opção. Vale ressaltar que após os cinco livros da saga Percy Jackson e os Olimpianos, o Rick lançou a trilogia As Crônicas de Kane ambientada na mitologia egípcia; mais cinco livros de Os Heróis do Olimpo que também conta com elementos da mitologia grega; Semideuses e Magos que foi o primeiro crossover entre os protagonistas do Riordanverso; a trilogia Magnus Chase e os deuses de Asgard que, como o próprio título sugere, interage com o mundo da mitologia nórdica; e por fim, As provações de Apolo, sua saga mais atual sendo narrada por um deus pela primeira vez.

Não deixe de conferir a resenha de Percy Jackson e o Ladrão de Raios feita pela Carol no canal Leitura Virtual:




Autor: Rick Riordan
Tradução: Ricardo Gouveia
ISBN-13: 9788598078397
ISBN-10: 8598078395
Gênero: Jovens e Adolescentes
Ano: 2008 / Páginas: 400
Editora: Intrínseca



Nenhum comentário

Gostou do post? Deixe seu comentário, dúvida ou sugestão! Volte sempre! :)